sexta-feira, 22 de maio de 2015

Foco nos PRATOS

Detalhe Prato da Linha Hexie
Conformação em placa e alto relevo
Massa cerâmica tabaco e branca

Não dá para evitar: pratos nunca saem de moda. São indispensáveis em qualquer mesa e têm desempenho estético nas paredes. E ainda: tornaram-se objeto de arte nos melhores museus do mundo e, itens do leilão anual do Museu Lasar Segall, em que artistas plásticos contemporâneos participam. Nomes como Beatriz Milhazes, Paulo Mendes da Rocha e Jac Leirner fazem parte da lista incrível que criou pratos para o evento. Em 2006, ano da sua nona edição, o prato de Tunga [Antônio José de Barros de Carvalho e Mello Mourão]  atingiu o valor de R$ 21mil. Ficou animado para iniciar sua própria coleção? Então seja bem-vindo ao mercado do luxo!



  Viés                    
 HISTÓRICO 

Tigelas de uso coletivo são o precedente arqueológico do prato. No século 16, registra-se o uso individual, em substituição às tábuas da Idade Média, para servir alimentos. Repertório de nobres e reis, [o povo comia em panelas!] desembarcou no Brasil junto com a família real portuguesa, perpetuando-se como sinônimo de elegância e requinte à mesa, passando de mãe para filha e, logo invadindo o décor da casa e resistindo... (Tem algo mais parecido com a casa da vovó do que pratos da Companhia das Índias nas paredes da sala de jantar?)
                                                                                                  


1 Pratos D. João VI, século 18, em porcelana da  Cia. das Índias, da época do imperador Quianlong: 1736-1795. Foto Divulgação Casa Vogue: 22 Set. `14 | 2 Pratos Butterfly Christian Lacroix, em porcelana da Vista Alegre, Portugal | 3 Prato de Tunga para o leilão Pratos para Arte IX : 2006. Foto do Museu Lasar Segall, São Paulo.


                                                                                                                                Pegada
SUSTENTÁVEL

Em 13 de março de 1996, entrou em vigor a Portaria nº 27 da ANVISA [Agência Nacional de Vigilância Sanitária], que aprovou o Regulamento Técnico sobre embalagens e equipamentos de vidro e cerâmica em contato com alimentos. O RT determina que fica proibido o uso de embalagens e equipamentos de cerâmica porosa . Mais que isso, a face em contato com o alimento deve ser de vidrado íntegro. O RT relaciona-se com a norma ISO 6486-2: 1999 que determina os limites admissíveis de cádmio e chumbo do vidrado, reduzindo riscos para a saúde humana. Lembro: o RT não contempla a categoria decorativo, quando podemos escolher tratamento de superfície que dispense uma segunda queima –  em busca de atitudes verdes e mais racionais.



Objeto-Conceito

Unindo memórias, traços do passado e interpretações atuais, exploro preferencialmente a forma quadrada, plana ou côncava no centro, pensando se utilitário em servir finger food, mas que possa ser capaz de compor decorações com outros objetos. O importante é não deixar de sofisticar a casa!



Prato da Linha Hexie
Conformação em placa e alto relevo
Massa cerâmica tabaco e branca com esmalte transparente